quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Ministro do Trabalho Brasileiro Ronaldo Nogueira confirma a presença no 1º Congresso Nacional dos Detetives do Brasil, o qual abrirá o evento.

Presidente da CNPRD Itacir Flores acompanhado do det Alexandre Arisi 
entregam ao ministro Ronaldo Nogueira o convite do Congresso da categoria

O ministro do trabalho do Brasil Ronaldo Nogueira confirmou a presença na abertura do 1º Congresso Nacional dos Detetives do Brasil a ser realizado em Brasília no dia 22 de março de 2017, no auditório da Câmara Legislativa do Distrito Federal. O ministro abordará o tema: “A importância da profissão regulamentada no contexto trabalhista brasileiro”.

O convite oficial foi entregue ao ministro pelo presidente da CNPRD e pelo superintendente da região sul detetive Alexandre Arisi.

O Ministro Ronaldo Nogueira levou em mãos a solicitação de audiência que foi protocolada no Senado Federal e no mesmo ato o presidente da CNPRD solicitou que o ministro Ronaldo acompanhasse a comissão em audiência com o presidente do Senado Federal. 

"A categoria de trabalhadores da investigação privada deve ser reconhecida pelo estado brasileiro com a aprovação do PLC 106/14, que tramita em fase terminativa no Senado Federal. A categoria regulamentada vai se agrupar a outras que fazem o crescimento do Brasil e levam à sociedade mais um serviço qualificado". Disse o ministro.

Já o presidente da CNPRD disse que: "A sociedade brasileira clama por um regramento da profissão para que não seja mais alvo de golpe e fraude por parte de pseudos detetives que não cumprem seus contratos. Mudar este quadro é importante e fundamental para que a classe dos reais profissionais seja respeitada pela sociedade e pelo estado. Não temos mais tempo a perder". salientou o presidente.

ABAIXO CÓPIA DO EMAIL DO CERIMONIAL DO MINISTÉRIO.



Jornal A TRIBUNA de Mato Grosso divulga o 1º Congresso Nacional dos Detetives Particulares do Brasil que se realizará em Brasília dia 22 de março.

Detetives Jairo Vicente e Adão Ferreira em visita à redação do A TRIBUNA para divulgação do congresso
Foto: Deivid Rodrigues

A Comissão Nacional Pró-Regulamentação da Profissão de Detetive Profissional no Brasil realiza, no dia 22 de março, na Câmara Legislativa do Distrito Federal, em Brasília (DF), o 1º Congresso Nacional dos Detetives do Brasil. Poderão participar investigadores privados do País juridicamente constituídos. De acordo com o investigador particular Adão Ferreira, a finalidade do encontro é discutir o Projeto de Lei 106/14 que trata da regularização da categoria.

Segundo Ferreira, o projeto, de autoria do então deputado federal Ronaldo Nogueira (PTB-RS), atual ministro do Trabalho, tramitou na Câmara dos Deputados e agora está pronto para ser votado no Senado.

Como a proposta ainda não foi votada, Adão Ferreira afirmou que o Congresso de Detetives também servirá para cobrar dos senadores uma maior celeridade na tramitação. “A categoria precisa da regulamentação para que possa ser estabelecida a ética profissional da atividade e garantir os direitos trabalhistas”, explicou o investigador privado.

A PROFISSÃO
O papel de um investigador privado é o de planejar e executar coleta de dados e informações de natureza não criminal, utilizando recursos e meios tecnológicos permitidos, visando o esclarecimento de assuntos de interesse privado do contratante. Segundo Adão Ferreira, são tarefas de um detetive particular, por exemplo, a localização de crianças perdidas, animais perdidos ou que foram extraviados, e a busca de bens passivos de penhora.

SERVIÇO
Outras informações sobre o 1º Congresso dos Detetives do Brasil podem ser obtidas com os investigadores Jairo Vicente (66 99994–2570) ou com Adão Ferreira (66 99979–2195).

Fonte: CLIQUE AQUI


domingo, 12 de fevereiro de 2017

DETETIVE PARTICULAR DO BRASIL FAÇA PARTE DESTA HISTÓRIA. Venha participar do maior evento da categoria no Brasil dia 22 de março em BRASÍLIA.


DETETIVE PARTICULAR DO BRASIL FAÇA PARTE DESTA HISTÓRIA.

Para se fazer a inscrição com confirmação de presença no 1°CONGRESSO NACIONAL DOS DETETIVES DO BRASIL.

A ser realizado em:

➡LOCAL: CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL EM BRASÍLIA - DF.
➡DATA: 22 DE MARÇO 2017
➡HORÁRIO: DAS 9:00 ÀS 19:00 HS*

*TAXA DE INSCRIÇÃO:**G.R.A.T.U.I.T.A*

➡Enviem sua inscrição para os Emails:*
congressodetetives@hotmail.com

congressodetetives@gmail.com

*( O mais breve possível )*

PREENCHA SEU EMAIL COM OS SEGUINTES DADOS
➡ *ASSUNTO: INSCRIÇÃO NO 1° CONGRESSO NACIONAL DOS DETETIVES DO BRASIL- DF.*
➡Incluindo:*
*- Nome completo*
*- Nome da Agência ( se houver )*
*- Cidade*
*- Estado*
*- E-MAIL de Contato*
*- Tels de Contato - DDD + Cel e Fixo ( Se houver )*
*- Cópia scaneada da Funcional de Detetive ou um Documento que prove de que está na Profissão.*
➡ *Para nossa maior Organização e para que possamos ter um melhor controle da quantidade de Detetives Participantes para estabelecer a confecção dos Certificados e possíveis Brindes a serem distribuídos no Evento.*

******************************
*➡Para Homens:  TRAJE SOCIAL (Opcional) - Terno e Gravata*
*➡ Para Mulheres: TRAJE SOCIAL (Opcional) - Terninho*
Atenciosamente;*

COORDENADOR GERAL


DETETIVE DÉCIO FREITAS

*DIREÇÃO NACIONAL - CNPRD.*

DETETIVE PARTICULAR: Sugestão de requerimento a ser feito na prefeitura municipal de sua cidade para se enquadrar na legislação vigente. Leia com atenção!!!

A CNPRD - Comissão Nacional Pró Regulamentação da Profissão de Detetive Particular no Brasil agradece ao Detetive André Luis da Silva pela sugestão feita de texto de ofício ou requerimento que deve ser encaminhado, pelo Detetive Particular interessado, ao órgão municipal (Prefeitura Municipal) da cidade em que se busca a regularização profissional.


Veja modelo ofício/requerimento




O presidente do CONDESP - Conselho dos Detetives do Estado de São Paulo encaminhou ofício à Ouvidoria do Senado Federal solicitando que seja votado o PLC 106/14.

Detetive André Luis da Silva
O presidente do CONDESP - Conselho dos Detetives do Estado de São Paulo André Luis da Silva encaminhou ofício à Ouvidoria do Senado Federal processo nº 417201701144, requerendo em nome de seus associados o seguinte: "Requeiro respeitosamente que, prontamente na abertura da 3ª Sessão Legislativa da 55ª Legislatura, Vossa Excelência faça incluir na Ordem do Dia o PLC n.º 106/2014 para deliberação do Plenário do Senado Federal".




sábado, 11 de fevereiro de 2017

CNDB se posiciona pela aprovação do PLC 106/14 e em apoio à CNPRD

O presidente do Conselho Nacional dos Detetives Investigadores do Brasil Bruno Santos de Couto do estado da Bahia encaminhou documento de sua entidade representativa dando o apoio incontinente à CNPRD e em especial a aprovação do PLC 106/14 que tramita em fase conclusiva no Senado Federal.

Detetive Bruno Santos de Couto




CDB ENCAMINHA OFÍCIO AO PRESIDENTE DO SENADO FEDERAL SOLICITANDO AGILIZAR A VOTAÇÃO DO PLC 106/14,

O presidente do CONSELHO DOS DETETIVES DO BRASIL  com sede em Curitiba Paraná Detetive Walmir Ferreira Battu protocolou ofício na Secretaria da mesa diretora do Senado Federal solicitando a agilização da votação da PLC 106/14 para que a profissão de Detetive Particular seja regulamentada.





quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

CNPRD: CHAMAMENTO PÚBLICO AOS PROFISSIONAIS DA INVESTIGAÇÃO PRIVADA NO BRASIL

O movimento classista denominado *Comissão Nacional Pró Regulamentação da Profissão de Detetive* (CNPRD), sem prerrogativa própria de ente jurídico, originário da livre iniciativa de bons companheiros do Estado do Rio Grande do Sul e que hoje congrega militantes de unidades federativas das cinco regiões geográficas do Brasil, irmanados por um mesmo objetivo, de forma espontânea e sem qualquer tipo de arrecadação financeira, faz saber:   

Os *detetives particulares dos quatro cantos do território nacional* que, conscientes da importância social que a profissão vem conquistando e da exigência cada vez maior de conhecimento técnico e científico para o seu desenvolvimento, *favoráveis ou contrários aos termos da regulamentação constante no PLC 106/2014*, entendem ser impostergável a edição de um marco regulador profissional, *terão a oportunidade de se reunirem no 1º Congresso Nacional dos Detetives que será realizado no dia 22 de março do corrente, na Câmara Legislativa do Distrito Federal* e cujo cronograma logo será divulgado pela coordenação designada pelo comando nacional da CNPRD.
 
Neste evento que entrará para os anais da história da atividade *todos sem exceção poderão expor desde que de forma respeitosa e democrática suas dúvidas, sugestões e críticas relacionadas ao projeto de regulamentação* que está sob apreciação do Senado da República. Confirme sua presença informando seu nome, cidade, e telefones de contato pelo e-mail: congressodetetives@gmail.com

Detetive J S GOMES de Belém do Pará apóia a PLC 106/14 que regulamenta a profissão de Detetive particular no Brasil

Bom dia! DETETIVES PARTICULARES DO BRASIL
Detetive J S GOMES. Belém.PA.
Alguns não querem a regulamentação da profissão porque terão que se submeter as regras da educação formal que será regularizada pelo MEC no âmbito da Educação Profissional dos Detetives, as atuais escolas por exemplo, terão prazo pra credenciamento, e isso não é tão fácil, mas é possível. Teremos a oportunidade de sair do ensino informal (não reconhecido de fato, mas valido socialmente) para o ensino formal (ensino profissionalizante de nível técnico) com registro nacional emitido pelo MEC.

Quando o MEC for acionado depois da aprovação do projeto de lei, o MEC irá, por força de normas Educacionais, aumentar as horas de 600 para 800hs porque curso técnico deve ter carga horária mínima de 800hs, elaborar a matriz curricular do curso de Formação (nessa fase seremos chamados). Eu sou técnico em Reabilitação de Dependentes Químicos, e esse curso, as horas mínimas são 1.200 hs. Outros cursos técnicos, tem carga de 1600hs.

Existe um catálogo nacional de cursos técnicos, todos estão lá, se não tiver lá, tem algo errado, ou é curso em experiência, que depois passa para rol dos cursos.

O projeto de lei, pode ter suas lacunas resolvidas por meio de decreto regulamentar, que irá dizer quem emitirá a identificação profissional, quem irá nos fiscalizar ou não, pois o próprio decreto regulamentar, dizer que devemos nos unir por meio de uma Federal Nacional para todos, sem exceção.

Enfim, da forma como tá, tá uma zona, há uma mercado de venda de credenciais, mas isso não é ilegal, sabem por quê? O curso de formação de detetive, é livre, sem fiscalização do Estado ( MEC/Conselho Estaduais de Educação ), livre de qualquer ente ou pessoa que se intitula o cara.

Sou a favor da projeto, porque será o primeiro passo para o futuro. Se nossa profissão tivesse sido regulamenta no passado, com certeza, estaríamos trilhando o universo da ciência, das universidades e centros de ensino profissional.

Vamos a luta!!!!!
Desistir JAMAIS!!!!!

Detetive J S GOMES.
Belém.PA.

Assina e autoriza a publicação


domingo, 15 de janeiro de 2017

VEM AÍ... 1º Congresso Nacional dos Detetives Particulares do Brasil. PARTICIPE


Detetives Particulares do BRASIL, estaremos realizando o 1º Congresso Nacional para reunir a categoria que apoia a regulamentação da profissão.

DIA: 22 DE MARÇO DE 2017.
LOCAL: BRASÍLIA - DF

Mais informações em breve sobre detalhes do evento.

O evento será organizado por um grupo de abnegados profissionais da CNPRD que de forma gratuita e voluntária em prol de todos.

PARTICIPE E FAÇA PARTE DESTA HISTÓRIA.





sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

domingo, 18 de dezembro de 2016

Detetives Particulares participam do Encontro Estadual dos Conselhos de Segurança Pública, em Cuiabá-MT

 Os detetives Adão Ferreira da Silva e Jairo Vicente e outros participantes
Professor gaúcho Ricardo Brisola Balestreri, foi o palestrante no encontro Estadual dos Conselhos de Segurança Pública, em Cuiabá-MT.

Especialista em Segurança Publica, Balestreri,conseguiu passar muitos conhecimentos na área de segurança publica, foi muito aplaudido.

Além da presença dos líderes comunitários,autoridades civis e militares, também se fizeram presentes os detetives Adão Ferreira da Silva e Jairo Vicente,representando Rondonópolis-MT.

O tema principal da palestra foi: "A SENSAÇAO DE INSEGURANÇA NO BRASIL".



terça-feira, 13 de dezembro de 2016

PROFISSÃO DE DETETIVE PARTICULAR NO BRASIL: Basta, tem que haver mudança! por André Luis da Silva


Detetive André Luis da Silva autor deste artigo
Nossa atividade que *é o negócio de inúmeras empresas do seguimento de ensino livre informal*, inclusive, firmas individuais abertas a partir da Lei Complementar n.º 128/08 (MEI), disputando *“alunos”* com tradicionais e novas *entidades associativas*, existentes em quase todos os Estados, que, *em vez de se nortearem pela atividade de congraçamento e respaldo profissional dos detetives afiliados* - que é a atividade fim de tais entes sem fito lucrativo, *ao contrário disputam com os donos de empresas a venda de cursos de detetive ou de nomenclatura congênere, o que resulta no lançamento no mercado de gente com pouca ou quase nenhuma escolaridade, com deficitária instrução teórica voltada à realidade da profissão no Brasil* – como é característico desse tipo de ensino não formal – sem um mínimo de atividade prática, *quando não põe nas mãos de um individuo inescrupuloso, senão um bandido com diversas passagens pela polícia, um distintivo e uma identidade funcional de investigador particular*.

Terminantemente, não dá mais para seguir assim. *A regulamentação profissional, a maioria admite, é a única saída!*

É fato que, sem citar nomes de instituições, há sim bons cursos livres à disposição do público que desejar colher orientação para ingressar na profissão e obter um certificado, mas *com certa pressa e querendo economizar o candidato acaba optando por um curso didaticamente pobre, com matérias que se distanciam do dia-a-dia da profissão e que, de certo modo, estimula a confusão da investigação privada com a tarefa privativa dos agentes policiais*.

Encontramos *publicidade de cursos que apresentam ilustrações com fardamento, armas, algemas e siglas semelhantes às adotadas por órgãos oficiais de inteligência e/ou de segurança pública*. Qual o sentido ou o propósito disto?

Então *a cada dia surge um anúncio novo pago ou gratuito na internet*, e mesmo nos jornais impressos, em que se oferece *serviço de detetive particular*. Claro que não se pode impedir a liberdade de escolha de profissão, contudo, *pelo contexto histórico de nossa profissão com tantos abusos e desvios no proceder, em detrimento dos que atuam com decência, seriedade e legalidade, há que ser editada o quanto antes a regulamentação da profissão (PLC 106/14)*.

O cenário incontroverso é o seguinte: Indivíduos no afã de resolverem questões familiares ou contendas, na internet procuram sem cautela *indivíduos por vezes desprovidos de boa-fé, que se intitulam detetives particulares para aplicarem verdadeiros estelionatos na praça, inventando adultérios ou outras situações similares para ludibriar aquele que se vê envolvido com um dilema pessoal*.

É notório pela sociedade a ocorrência de grampos feitos por detetives inescrupulosos, bilhetagem e levantamento clandestino de outros dados de terceiros protegidos por sigilo, cujo intuito é só o lucro, sem falar na convivência, por vezes, conflituosa com os serviços de investigação da polícia judiciária, quando *abusam na realização do seu ofício pelo fato de não existir fiscalização da prática da profissão de detetive particular pela União, o que estimula tantos abusos ou crimes*.

Saudações a todos os colegas que direta ou indiretamente não concordam com a continuidade do cenário atual, *em especial aos colegas que apoiam a CNPRD liderada pelo defensor da profissão Itacir Flores*


Regulamentação já!

André Luis da Silva



quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Presidente do CDB detetive Walmir Battu visita a CNPRD em Porto Alegre RS

Reunião/Almoço entre o presidente do CDB e integrantes da CNPRD

Recebemos para uma reunião/almoço em Porto Alegre RS, o presidente do CDB - Conselho do Detetives do Brasil, o conhecido Detetive Walmir Battu, que estava acompanhado da Detetive Andréa Santos e Walter Tonini.

Diversos assuntos foram tratados entre o CDB e a CNPRD visando incrementar a profissão, além de integrar instituições que buscam o mesmo objetivo que é a regulamentação da profissão de detetive Particular no Brasil em especial a aprovação da PLC 106/14 e a estruturação educacional da nova categoria de investigação privada no Brasil.


"Desta forma caminhamos em passos largos para um futuro melhor para todos, onde a dignidade do profissional e a preservação da ética sejam propulsores da categoria que tanto espera uma profissão reconhecida pelo estado brasileiro." Disse o presidente da CNPRD Itacir Flores.


O Detetive Battu publicou na redes sociais:

"Tenho a honra de comunicar à todos os nossos consórcios, que a partir desta data o CDB fará parte integrante da Comissão Pró Regulamentação da Profissão de detetive Particular e a apoiará integralmente em seus propósitos e atividades. 
Assumo também o compromisso de trabalhar na estruturação e coordenação do curso de formação da classe, elaborando com auxilio de outros docentes a grade curricular da aludida formação".


 Em pé: Walter Tonini, Valério Subtil,  Milton Lemos, Alexandre Arisi
Sentados: Itacir Flores, Andréa Santos, Walmir Battú e Fabiana Lemos






domingo, 25 de setembro de 2016

“Solidários, seremos união. Separados uns dos outros seremos pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos.” Bezerra de Menezes


Presidente da CNPRD e André Luis da Silva

“Solidários, seremos união. Separados uns dos outros seremos pontos de vista. Juntos, alcançaremos a realização de nossos propósitos.” Bezerra de Menezes.

Dissidentes e avessos ao modelo de regulamentação defendido pela CNPRD, movimento liderado pelo colega Itacir Flores (RS), composto de profissionais, homens e mulheres, das cinco regiões do Brasil, tem todo o direito de se manifestarem ressaltando pontos que entendam não foram tratados na proposta originária do PLC 106/2014, bem como suscitarem questionamentos seja na perspectiva da aplicação do direito adquirido, na questão da formação em nível técnico, sobre o tópico da idoneidade ou da exigência de bons antecedentes ou outra matéria inserida ou não no texto do projeto em discussão no Senado da República.

Ninguém se iluda em crer que é possível se produzir uma proposta que não suscite desagrado num ou em outro ponto em se falando da fixação de regras para a prática da profissão, restringindo-se o seu exercício com permissivo no inc. XIII do art. 5º da Constituição Cidadã de 1988.

Os baluartes e os atuais partícipes do movimento que identificamos pela sigla CNPRD não repousarão em berço esplendido, convertido o projeto em lei, ao passo que todos os envolvidos no processo terão seus nomes inseridos nos anais da profissão no Brasil, com o peso de que, como já se observa, serão perenemente cobrados por brechas ou falhas levantadas intempestivamente por profissionais ou organizações do setor que, em se tratando de proposta oriunda da Câmara, só agora parece terem tomando conhecimento do teor do projeto apresentado em 2011.

O amadurecimento individual de que necessitamos, admitido pacificamente que só unidos é que temos força para efetivar reivindicações do interesse geral da categoria, relegados a segundo plano a vaidade e o interesse particular de cada um de nós que peleja com correição na profissão para naturalmente obter resultados e reconhecimento, é o que nos permite enxergar que todos os detetives, com baixa ou maior escolaridade, com pouca ou larga experiência profissional comprovada, numa pequena cidade interiorana ou metrópole de uma região super desenvolvida, se irmanam numa mesma classe.

E é como elemento desta categoria profissional que, cada um com suas particularidades e dificuldades locais se encontra num determinado estágio de tirocínio profissional, mudando de postura e nos comprometendo realmente com a aprovação do PLC 106/2014, unidos vamos poder desfrutar do mais alto grau da oficialidade possível para o nosso mister privado, sentir maior segurança jurídica no pleno desenvolvimento do ofício, perceber o desaparecimento da concorrência desleal e os efeitos dos regulamentos ético- disciplinares que a médio prazo irão transformar a convivência entre os detetives particulares e a relação destes com os agentes e autoridades do poder público.

Somos enquanto agentes da investigação particular indivíduos que vivem em interdependência direta ou indireta, ou seja, uma dependência recíproca para progredir e alcançar a realização profissional; o que é possível para todos que se prepararem.

Comprometer-se com a elevação da profissão está atrelado ao quanto se compreende este processo todo e do quanto de dignidade e altivez se opta em expressar. Atitude pessoal de mesquinhez, estrelismo, cobiça e intriga pode prejudicar uma pessoa, até mesmo o trabalho de um grupo ou instituição privada ou pública, do mesmo modo que uma ação de assertividade pode ser o exemplo que ela precisava para tomar uma decisão ponderada, justa e elogiável.

Ofereço esta despretensiosa reflexão ao Superintendente Regional do Sudeste, Detetive Robson Jorge, e ao 2º Vice-Presidente Nacional da CNPRD, Detetive Décio de Freitas, meu amigo particular.

Estendo saudações aos demais colegas do estado de São Paulo.

ANDRÉ LUIS DA SILVA
(MTE 0082224/SP
)



quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Presidente da CNPRD reuniu-se com os Detetives Ocimar Correa de Souza, conhecido como Detetive Falcão e Raimundo Hamilton de Souza Cruz - O Magnum. Em Belém do Pará.

 Presidente da CNPRD Itacir Flores e o Detetive Ocimar Correa de Souza

Detetive Ocimar Correa de Souza, o Detetive Raimundo Hamilto de Souza Cruz e o Presidente da CNPRD


No último dia 1º de setembro o presidente da CNPRD esteve no estado do Pará a trabalho e aproveitou a ocasião e conversou com os Detetives Ocimar Correa de Souza, conhecido como Detetive Falcão e Raimundo Hamilton de Souza Cruz - O Magnum.

Em um encontro rápido no Cais do Porto tomaram um café e debateram sobre a regulamentação da profissão no Brasil.

Desta reunião saiu mais forte a ideia de que somente regulamentada a profissão é que podemos ajustar no mercado profissionais mais éticos, comprometidos com a categoria e investidores na profissão. "O futuro profissional está nas mãos daqueles que querem a profissão regulamentada e respeitada pela sociedade brasileira, afora isso teremos cada dia mais profissionais sem capacidade e a proliferação de cursos livres a granel como se pode ver hoje". Disse o presidente.

"No Pará e onde pudermos fazer vamos nos dedicar ao máximo a implementar uma grande profissão no Brasil". Disse o Detetive Falcão que também é estudante de Direito.



domingo, 28 de agosto de 2016

Detetive Manuel Xufre relata encontro com o Presidente da CNPRD e Diretor do GT - Grupo Técnico.

Manuel Xufre - Detetive Particular

BOM DIA A TODOS OS DETETIVES E AMIGOS

Em virtude de pedidos efetuados em rede social , grupo de whats e pelo telefone ... para que eu desse o meu parecer sobre os últimos acontecimentos relativos á nossa categoria profissional e sobre a CNPRD (Comissão Nacional Pró Regulamentação da Profissão de Detetive Particular) e suas recentes tomadas de posição e também sobre a reunião efetuada em Viamão(20 ago) onde tive o prazer de conversar com o presidente Itacir e o colega Raul “Abacus” , e após o esclarecimento de algumas dúvidas e a construção de uma base de entendimento mútuo com ambos sobre a importância de se chegar a um consenso que beneficie toda a classe de detetives, os esclarecimentos de ambos foram de muito valor e conclusivos !!!


Passo então a descrever os assuntos mais relevantes discutidos nesse encontro !!!

Um dos pontos discutidos se referia ao direito adquirido após a aprovação da PLC 106/14 em questão estava uma duvida que eu tinha em particular , mas que me foi prontamente esclarecida por ambos e ainda consolidada pelo meu amigo André , presidente do CDP/SP, que me explicaram sobre essa questão e a forma como esse direito está previsto para todos nós.

Outro ponto de troca de ideias foi relativo ao período de tempo mínimo necessário para que após a aprovação da PLC 106/14, tenha inicio a criação do órgão fiscalizador e representativo da classe que deverá ser eleito pelos detetives em assembleia geral da classe e na minha perspectiva nunca deverá ser inferior a 90 dias , ambos concordaram ser um prazo razoável.

Foi ainda abordada a questão relativa ao órgão da federação ao qual deveremos responder no futuro , após a regulamentação, na minha modesta perspectiva podem haver divergências de entidade , mas a minha opinião é a de que deveremos requerer que seja o Ministério Publico , através das secretarias de segurança publica dos diversos estados da união.

Estes foram os pontos mais importantes abordados na reunião e da qual saí convicto de uma vez por todas deveremos apoiar a comissão de todas as formas e meios ao nosso dispor, para que a PLC 106/14 seja aprovada o mais rapidamente possível, para que tenhamos finalmente um reconhecimento digno da sociedade e das diversas forças politicas e policiais do Brasil.

Quero aqui deixar também a minha consternação sobre os últimos episódios ocorridos com alguns integrantes da referida comissão, A vida por vezes nos ensina da forma mais dolorosa e cruel que nunca se deve dizer “ desta água não beberei “ , Estamos assistindo a diversas denuncias sobre colegas de profissão que faziam parte da comissão , mas quero aqui enfatizar que a forma como a comissão lida com esses percalços é digna e correta, e sabemos que o mais difícil por vezes é cortar na própria carne, mas a direção da comissão o tem feito da melhor forma possível !!! bem hajam !!!

Por fim gostaria de pedir a todos os colegas e amigos que se empenhem o melhor possível e dentro das suas possibilidades apoiando a comissão e sua direção junto da sociedade das suas regiões e classe politica, pedindo a atenção para a necessidade de aprovação da lei.

Aqueles que me pediram para esclarecer a minha posição espero ter descrito aqui de forma concludente o meu estado de espirito e acrescento que podem contar comigo para ajudar a tornar esta classe digna e respeitada !!!

Manuel Xufre
Detetive Particular
(recebido por wats app)

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

CNPRD afasta o sr Fred Correa da representatividade da comissão no estado de Pernambuco

Tendo em vista a condenação pela justiça do sr Fred Correa colaborador da CNPRD no estado de Pernambuco, a Direção da Comissão Nacional Pró Regulamentação decidiu por unanimidade afastá-lo da representatividade simbólica que o mesmo detinha no estado pernambucano.

Devemos continuar a lutar pela regulamentação, independente de fatos que venham, neste momento especial em que vive a categoria desmerecer as nossas conquistas.

Informo ainda que a Diretora do estado PE sra Lucélia Araruna, também foi afastada do cargo simbólico a pedido.

Alertamos a todos que confiam na luta a entender que pessoas maldosas e dissidentes da comissão procuram jogar seus componente uns contras os outros o que poderá ser fatal para a regulamentação da profissão.

Atenciosamente.

A Direção Nacional